FANDOM



Episódio 3 - "Tabula Rasa"

Escrito por: Damon Lindelof

Dirigido por: Jack Bender


Primeiro Ato

[Cena de pessoas vasculhando a bagagem. Claire e os sobreviventes procuram por alguns papéis. Cena muda para Jack e o Oficial.]

OFICIAL: Não confie nela. Ela é perigosa.

JACK: Tente não se mover, cara.

OFICIAL: Tenho que encontrá-la. Tenho que trazê-la de volta.

JACK: É, você fica dizendo isso. Mas toda vez que eu pergunto quem você "tem que trazer de volta" você apaga de novo. E já que sua febre está ficando cada vez mais alta, eu acho que você não tem idéia do que está falando.

OFICIAL: Minhas algemas. Onde estão minhas algemas?

JACK: O quê?

OFICIAL: No bolso do meu paletó.

JACK: Eu não …

OFICIAL: No bolso do paletó.

JACK: Ok.

[Jack pega um pedaço de papel no bolso do paletó do Oficial e abre.]

OFICIAL: Perigosa. Ela é perigosa.

[Foto de Kate presa mostrando uma plaqueta que diz: Polícia de Harrison Valley com os números 961136 abaixo (há ainda outros números ilegíveis, que não parecem fazer parte da seqüência (3 9 81 4 64).]

[Cena de Kate, Sawyer, Boone, Sayid, Shannon voltando para praia da tentativa de pegar uma mensagem no "transceiver".]

BOONE: Está ficando escuro.

SAWYER: Então aperta o passo.

BOONE: Caipira.

SAWYER: Mais alto?

SAYID: Deveríamos acampar.

SHANNON: O quê, aqui?

SAYID: Sim, aqui.

SAWYER: Eu não vou parar. Tenham uma boa noite.

SAYID: Excelente, ande pela floresta no escuro.

SAWYER: Oooo, ta com medo que as arvores peguem a gente?

SAYID: Não, o que está derrubando as arvores vai te pegar. SAWYER: [mostrando a arma] Bem, se você está preocupado comigo, que tal me dar os cartuchos de volta?

KATE: Coloque a arma de volta em suas calças, Sawyer. Sayid está certo, se você continuar caminhando, você não vai chegar a praia.

SAWYER: É, por que isso?

[Mostra Charlie olhando ao longe.]

KATE: Acredite em mim.

[Mostra um grupo de pessoas ao redor do fogo a noite. Sayid colocando uma pedra no chão, e segurando uma tocha.]

SAYID: Esta é a Austrália [indicando a pedra]. Este somos nós [indicando a tocha].

SAWYER: Belo galho.

SAYID: Dois dias atrás nós saímos de Sydney. Nós voamos no sentido da rota nordeste que todos vôos comerciais para Los Angeles fazem. Agora o piloto... ele disse que perdemos comunicação quando caímos, correto?

KATE: Sim, 6 horas. Ele dobrou e dirigiu-se para Fiji.

SAYID: Então, mudamos de curso. Ninguém sabe que mudamos de curso. A turbulência bateu e sabemos o resto. [Sayid coloca a tocha de fogo fora.]

KATE: O piloto disse que estávamos mais de mil milhas fora do curso.

CHARLIE: Sim, mas eles nos acharão. Eles tem satélites no espaço que podem fazer fotos de sua placa do carro.

SAYID: Se estivéssemos todos com placas.

CHARLIE: Bem, não sejam vocês os pessimistas.

SAYID: Fotografia básica - apontar e clicar. Satélites podem clicar, mas eles tem que estar apontados para o lugar correto.

CHARLIE: Oh, merda.

SAWYER: Ok, eu realmente gostei do show de bonecos. Fantástico. Mas estamos presos no meio do nada. Que tal falarmos sobre outra coisa? Vocês sabem aquela transmissão que “Abdul” captou em seu rádio? A francesa disse, "Eles estão todos mortos." A transmissão está se repetindo há... quanto tempo, “Sardenta”?

KATE: 16 anos.

SAWYER: Certo. Vamos falar sobre isso.

BOONE: Bem, temos que contar aos outros quando voltarmos.

SHANNON: Contar o quê, exatamente?

BOONE: O que escutamos.

SHANNON: Você não ouviu nada. Eu sou uma tradutora ruim.

SAYID: Ninguém vai dizer nada a eles. Contar o que ouvimos sem um entendimento pleno vai causar pânico. Se dissermos a eles o que sabemos, iremos tirar a esperança deles. E esperança é uma coisa muito perigosa de se perder agora.

KATE: Então mentimos.

[A câmera muda para Jack e Hurley na praia fazendo um abrigo.]

HURLEY: Era um dinossauro?

JACK: Não era um dinossauro.

HURLEY: Você disse que não viu ele.

JACK: Eu não vi.

HURLEY: Então, como você sabe que não era um dinossauro?

JACK: Porque dinossauros estão extintos

HURLEY: Ah, sim. [Olhando para o Policial] Então qual a história dele? Ele parece que está ... morrendo.

JACK: Ele não vai morrer.

HURLEY: Ele está amarelo, Jack.

JACK: Sua ferida está infectada, mas os antibióticos vão cuidar disso.

HURLEY: O que acontece se eles não cuidarem?

JACK: Então, seu corpo irá parar um orgão de cada vez. O seu abdômen ficará rígido, então ...

HURLEY: Ele parece estar sofrendo.

JACK: É.

[Hurley pega a foto de Kate.]

HURLEY: O que é isto? Ah, cara? Uh... [Jack agarra a foto] O que você acha que ela fez?

JACK: Esse não é meu trabalho.

HURLEY: Ela parece bem barra pesada.

JACK: Hurley... [Jack diz isso em um tom que indica que ele não quer falar sobre isso]

Segundo Ato

[Cena de Sayid e o grupo dormindo no campo. Alguém levanta e pega a revista de Sayid que acorda.]

SAYID: O que você está fazendo?

[Todos acordam.]

BOONE: [com a arma na mão] Fazendo a vigia. Você escutou o que disseram estar ali fora.

SAWYER: Você pegou minha arma, garoto?

SHANNON: [para Boone] Por favor, você nunca segurou uma arma. [para o grupo] Ele não acredita em armas. Ele vai nas passeatas.

BOONE: Eu não vou em passeatas.

SAYID: Devolva pra mim.

SAWYER: É, a dê para o “Al Jazeera”, ele nos protege.

CHARLIE: Al Jazeera é uma emissora.

BOONE: Eu vou ficar com a droga da arma.

SHANNON: Nós deveríamos dar a ela. [indicando Kate]

CHARLIE: É, Kate deve ficar com a arma.

SAYID: Por mim tudo bem. Bem?

[Boone dá a arma para Kate.]

[FLASHBACK]

[Cena de Kate dormindo sobre feno. O som de uma arma sendo engatilhada a acorda.]

RAY: Bom dia.

KATE: Bom dia.

RAY: Você está dormindo no meu abrigo para ovelhas.

KATE: Desculpa.

[Ray abaixa a arma e Kate se levanta.]

RAY: Como chegou aqui?

KATE: Eu andei.

RAY: Você andou?

KATE: É.

RAY: De onde?

KATE: Da cidade.

RAY: A cidade mais perto está a 15 quilômetros.

KATE: Talvez seja por isso que eu esteja tão cansada.

RAY: Qual o seu nome?

KATE: Annie.

RAY: Está com fome, Annie?

[Cena muda para Kate (Annie) e Ray na cozinha da fazenda. Kate está comendo e obviamente muito faminta.]

RAY: Então, quer me dizer por quê invadiu minha propriedade?

KATE: Eu fiquei sem dinheiro.

RAY: Você é americana.

KATE: Canadense. Eu me formei na faculdade e achei que deveria ver o mundo. Austrália estava no topo da minha lista, então eu entrei em um vôo para Melbourne, mas eu não conheço ninguém aqui, então achei que deveria andar por um tempo, sabe.

RAY: Melbourne fica a 100 quilômetros daqui.

KATE: Eu gosto de andar.

RAY: E só aconteceu de você acabar na minha fazenda.

KATE: Eu gosto de fazendas, também.

RAY: Você sabe como trabalhar em uma?

KATE: Sim.

RAY: Minha esposa morreu há 8 meses. Ela me deixou muitas tarefas e uma hipoteca infernal. Se você me ajudar com as tarefas, te darei um bom salário e um lugar para ficar.

KATE: Combinado.

[Kate estende a mão direita para cumprimentar Ray. Ele coloca o braço na mesa, mostrando para Kate que é um braço artificial]

RAY: Não. Eu sou canhoto.

[Hurley corre pela praia até a enfermaria que Jack improvisou]

HURLEY: Cara, cara, eles estão de volta.

[Sayid está reunido com um grupo a sua volta na praia]

SAYID: Como vocês sabem, nós subimos a montanha para tentar ajudar o resgate a nos localizar. O transceiver não conseguiu pegar um sinal. Nós não pudemos enviar um pedido de ajuda. [A imagem mostra Kate e Shannon] Mas nós não vamos desistir. Se juntarmos equipamentos eletrônicos... seus celulares, laptops... eu posso caçar o sinal e tentar de novo, mas isso pode levar um tempo. Para agora, devíamos começar a racionar nossa comida restante. Se chover, devemos arrumar lonas para coletar água. Eu preciso organizar 3 grupos distintos. Cada grupo deve ter um líder. [A imagem mostra Jack se aproximando] Um grupo para a água... eu irei organizar esse. Quem organizará a eletrônica? [Kate se aproxima de Jack] Você? Racionando a comida? Ok. Acredito que o terceiro grupo deveria se preocupar com a construção de...

[Hurley observa enquanto Kate se aproxima de Jack]

KATE: Oi

JACK: Hei.

KATE: Eu... eu preciso te contar algo.

JACK: Ok, claro.

KATE: Nós não pudemos enviar um sinal porquê havia outro sinal o bloqueando. O outro sinal... nós o ouvimos... era um pedido de socorro de uma francesa. Ela disse que os outros estavam mortos... que algo havia matado todos eles. Ela estava sozinha na ilha. Está tocando há 16 anos, Jack. Eu queria te contar.

JACK: Mais alguma coisa?

KATE: [olhando para a enfermaria] Como ele está... o homem com o estilhaço no corpo?

JACK: A situação é delicada.

KATE: Ele acordou?

JACK: Não, apenas por alguns segundos durante a cirurgia.

KATE: Ele disse alguma coisa?

JACK: Não.

Terceiro Ato

[A imagem mostra pessoas ocupadas na praia. Jack e Hurley estão carregando assentos do avião]

HURLEY: Então, o que ela disse?

JACK: Ela não disse nada.

HURLEY: Mas você contou que sabia?

JACK: Eu não sei de nada.

HURLEY: Bem, você sabe que ela está naquela foto da polícia... e que encontramos aquelas algemas... e que o cara fica murmurando “Ela é perigosa, ela é perigosa” toda hora.

JACK: Não tem nada haver comigo. Não é meu problema.

HURLEY: É, você está certo. Vamos deixar o “Johnny Fever” cuidar dela quando estiver melhor.

JACK: Ele não vai melhorar se não encontramos antibióticos mais fortes.

HURLEY: Eu encontrei isso nas bagagens…

JACK: É para infecção de ouvido e frieira.

HURLEY: Nós já reviramos tudo, cara.

JACK: E quanto a bagagem na cabine?

HURLEY: Isso fica dentro do avião?

JACK: Sim?

HURLEY: Mas, os corpos estão lá. Ele estão todos... mortos.

JACK: Olha, eu cuido disso. Por que você não toma conta dele?

HURLEY: Ótimo. Sim... amaria... estou nessa.

[A imagem mostra Jack na fuselagem. Ele está com uma lanterna na boca, examinando prescrições de medicamentos. Ele escuta algo se movendo por perto e rapidamente se levanta para vê o que é. Sawyer aparece]

SAWYER: Boo!

JACK: [Aliviado e depois chateado] O que você está fazendo aqui?

SAWYER: Doces ou travessuras, como você.

JACK: Você está roubando.

SAWYER: Aww, Eu digo “meia dúzia”…

JACK: O que tem na bolsa?

SAWYER: Bebida, cigarros, algumas Playboys. O que tem na sua?

JACK: Remédios.

SAWYER: Bem, acho que isso resume tudo, não é?

JACK: Você faz isso em casa, também... Roubar dos mortos?

SAWYER: Irmão, você tem que acordar e cheirar a “merda do boi”, o resgate não vem. Você está perdendo o seu tempo. Está tentando salvar um cara que da última vez que eu chequei tinha um pedaço de metal do tamanho da minha cabeça enfiado na barriga. Deixa eu te perguntar algo? Quanto daquelas pílulas você vai usar para consertar ele?

JACK: Quantas for preciso.

SAWYER: É? Quantas você tem? Você não está vendo a cena em sua totalidade, “Doc”. Você ainda está na civilização.

JACK: É? Onde você está?

SAWYER: Eu? Eu estou na selva.

[Charlie está sentado na praia, enquanto Claire se esforça para arrastar uma bagagem. Charlie se levanta para ajudá-la]

CHARLIE: Hei... Deixa comigo, deixa comigo.

CLAIRE: Obrigado.

[Eles colocam a bagagem na cadeira de rodas]

CHARLIE: Bem, veja o lado bom. Seja lá quem era esse, está melhor que nós... deixa comigo.

[A imagem mostra Sun com uma mala]

SUN:[Legenda: Acho que encontrei a sua mala]

JIN:[Legenda: Sério? Vamos ver. Não, não é essa.]

SUN:[Legenda: Então, vou continuar procurando.]

JIN:[Legenda: Venha cá? Você não viu como está? Suas roupas. Está imunda. Vá se lavar... Sun... Eu te amo.]

[A imagem volta para Charlie e Claire com a bagagem na cadeira de rodas]

CHARLIE: Então, como está o bebê?

CLAIRE: Está bem, eu acho.

CHARLIE: Bom. Então, o seu marido... ele estava no avião?

CLAIRE: Oh, não. Eu não sou casada.

CHARLIE: Oh.

CLAIRE: Eu sei... bem moderno da minha parte.

CHARLIE: Bem, quem precisa de homens? Malditos imprestáveis.

CLAIRE: [rindo] Então, vocês escalaram a montanha por nada, heim?

[Hurley sai da enfermaria com uma garrafa, dando de frente com Kate]

KATE: Hei... desculpa.

HURLEY: Eu estava indo pegar mais água.

KATE: Nós não nos conhecemos. Eu sou a Kate.

HURLEY: Oi, Kate.

KATE: Oi.

HURLEY: Hurley.

KATE: Eu estava procurando pelo Jack e achei que ele estaria aqui.

HURLEY: É, não... ele foi buscar medicamentos… Lá.

[Kate se vira e a imagem revela uma pistola em sua cintura]

KATE: Onde? Na fuselagem?

HURLEY: O quê? Sim, na... na... sabe? Eu tenho que pegar água. [Hurley se retira]

[Começa a chover e pessoa tentam coletar a água que cai, algumas procuram por abrigo. A imagem mostra o Oficial ferido. Kate se aproxima do homem. Sua face perto da face dele]

[FLASHBACK]

[A imagem mostra Kate na casa do Ray. Ela está na dispensa, onde remove um painel para um compartimento secreto que contém um pote com dinheiro. Ela pega o dinheiro. Ray ascende a luz]

RAY: O banco teria lhe dado uma boa torradeira se você depositasse isso numa poupança.

KATE: Pra que eu preciso de uma torradeira?

RAY: Você está escondendo seu pagamento numa lata, Annie. Eu posso guardar para você.

KATE: Eu tenho problemas de confiança.

RAY: Você não ia dizer adeus?

KATE: Escrevi um bilhete.

RAY: Você ficou aqui quase 3 meses, Annie. Toda vez que eu perguntava sobre você, você ficava com um olhar... Sim, esse aí... Então, eu fico na minha. Eu achei que talvez você tenha se perdido após uma relação ruim. Talvez, você tenha fugido. Sempre soube que você partiria algum dia. Só esperava que não fosse no meio da noite.

KATE: Eu lamento.

RAY: É, eu também.

[Kate começa a andar para partir]

RAY: Hei, Annie, por que você não fica mias uma noite? Eu te dou uma carona até a estação de trem, logo de manhã. Eu prometo.

KATE: Ok.

RAY: Eu entendo, sabe. Todo mundo merece um novo começo.

[De volta na ilha, Kate está encarando o oficial. De repente, ele abre os olhos e agarra ela pelo pescoço. Jack aparece e separa eles. O oficial entra em convulsão]

JACK: Apenas respire. Vamos, olhe para mim. Olhe para mim. [para Kate] O que você fez?

KATE: Eu estava apenas checando para ver se ele… ele pulou em mim... Me agarrou. Ele está… bem?

JACK: Ele não está respondendo aos antibióticos, está com hemorragia interna, com febre passando dos 40... e está com o abdômen rígido. Ele precisa de água.

[Jack sai para pegar água. Kate o segue. Continua chovendo]

KATE: Então, o que você vai fazer sobre isso?

JACK: Sobre isso o quê?

KATE: Sobre ele.

JACK: Eu disse, ele precisa de água.

KATE: Ele vai sofrer?

JACK: O quê?

KATE: Vai ser rápido?

JACK: Não. Não vai ser rápido. Dois, três, talvez quatro dias.

KATE: E ele vai sentir?

JACK: É, ele vai sentir.

KATE: Você não pode acabar com o sofrimento dele?

JACK: Eu vi a sua foto, Kate. Eu não sou um assassino.

[FLASHBACK]

[Vemos Kate sendo levada por Ray na caminhonete pela estrada]

RAY: Ele escutam Patsy Cline no Canadá?

KATE: Eles escutam Patsy Cline em todo lugar.

RAY: Está com fome?

KATE: Vou comer no trem.

RAY: Tem certeza? Tem um lugarzinho ali que faz um ótimo hambúrguer.

[Ray olha para um carro pelo espelho retrovisor]

KATE: O que você está olhando, Ray?

RAY: O quê?

KATE: Desde quando você sabe?

RAY: Uns dois dias. Vi a sua foto no posto dos correios. Acho que ele sabiam que você estava aqui embaixo (Austrália).

KATE: [magoada] Por quê?

RAY: A recompensa é de 23 mil dólares. Eu disse quando te conheci que eu tinha uma hipoteca infernal. Se for te fazer sentir melhor, foi uma decisão difícil, Annie.

KATE: Meu nome não é Annie.

[O carro seguindo eles acelera ficando lado a lado. Nó vemos o oficial abaixando o vidro e fazendo o gesto do “tiro de pistola” com a mão]

[De volta na ilha, vemos Kate na chuva depois de falar com Jack]

Quarto Ato

[A imagem mostra Walt e Michael na chuva]

MICHAEL: Hei, quem era o cara com quem você estava andando?

WALT: Que cara?

MICHAEL: O cara careca.

WALT: Ah, o Sr. Locke?

MICHAEL: O Sr. Locke tem filhos?

WALT: Ele não disse.

MICHAEL: É, o que ele disse?

WALT: Eu não sei.

MICHAEL: Como assim você não sabe. O que ele disse?

WALT: Uma parte é segredo.

MICHAEL: Ele disse para não me contar?

WALT: Não

MICHAEL: Então qual é o segredo?

WALT: O Sr. Locke disse que um milagre aconteceu com ele.

MICHAEL: É, bem, um milagre aconteceu com todos nós , Walt. Sobreviemos a um acidente de avião. Olha, eu não quero que você ande mais com ele.

WALT: Por que não? Ele é meu amigo.

MICHAEL: Hei, eu sou seu amigo, também.

WALT: Se você fosse meu amigo, teria encontrado o Vincent.

MICHAEL: Walt, olha, eu não desisti do seu cão. Eu farei de tudo para encontrá-lo.

WALT: Não, não irá.

MICHAEL: É, Walt, eu irei.

WALT: Você não se importa com o Vincent.

MICHAEL: Eu vou trazer o seu cão de volta, assim que parar de chover . Hei, me escuta, eu vou trazer o seu cão de volta. [A chuva para de repente]

[A imagem mostra a selva]

MICHAEL: [falando sozinho] É, assim que parar de chover... bom, ótimo. Eu vou encontrar o seu cachorro… é, eu vou sair pela porcaria da selva assombrada para encontrar o seu… [Michael escuta algo] Vincent?

[Podemos escutar um barulho de animal]

MICHAEL: Vincent? É você amigão?

[Mais som de animal. Michael então corre. Eventualmente, ele chega numa clareira onde Sun está se lavando com uma esponja]

MICHAEL: Oh, algo estava me perseguindo, então... Eu já não o escuto ... mas você devia sair daqui. [Ele passa para ela o sutiã] Eu não vi nada, sabe, se estiver preocupada com isso... Eu não vi nada.

[O Oficial está chorando de dor. A imagem corta para Locke com um pequeno pedaço de madeira. Charlie passando pela praia. Eles podem ouvir o homem gritando]

CHARLIE: O que você está fazendo?

LOCKE: Apito.

CHARLIE: Eu usei algumas flautas tribais, uma vez em uma gravação. Eu tenho uma banda.

[A imagem mostra Shannon se aproximando de Boone]

SHANNON: Queria que ele morresse logo.

BOONE: Muito humano, Shannon.

[Sayid se aproxima de Jack que está pegando água no recipiente feito com a lona]

SAYID: Alguma coisa que posso fazer para ajudar?

JACK: Não, eu estou bem, obrigado.

SAYID: Os outros estão aborrecidos. Querem saber o que está acontecendo dentro da tenda..

JACK: Estou tentando salvar a vida dele

SAYID: Rumores dizem que não pode.

[Jack se retira sem responder. Vemos Kate arrumando galhos para fazer fogo. O oficial continua gritando de dor. Kate está preparando o fósforo quando vemos um isqueiro sendo riscado]

SAWYER: Precisa de uma luz? [ele joga o isqueiro para Kate] Vim te agradecer. Você vai perguntar pelo quê?

KATE: Pelo quê?

SAWYER: Por tirar a arma de mim.

KATE: Eu não tirei de você.

SAWYER: Está te dando idéias, não é ? Eu, com certeza, não queria ser aquele com a arma agora. Porque todo mundo sentado aqui fora, escutando aquele pobre garoto a noite inteira, sabe o que deve ser feito. O único que pode fazer é aquele com a arma. Não finja estar surpresa. Eu soube que você disse o mesmo para o herói. Caramba, só restou uma bala... seria quase poético de mais.

[A imagem mostra o oficial com muita dor. Jack lhe dá um pouco de água]

OFICIAL: Me escute.

JACK: Não, você precisar ficar quieto.

OFICIAL: Me escute, não importa o que ela faça... não importa como ela faça você se sentir, não confie em nada que ela diz. Ela fará qualquer coisa para fugir.

JACK: O que ela fez?

OFICIAL: Quero falar com ela.

JACK: Me diga o que ela fez.

OFICIAL: Quero falar com ela sozinho. [Jack apenas o olha] ela te pegou também, hum?

Quinto Ato

[Kate se aproxima da enfermaria com a arma na cintura]

[FLASHBACK]

[Vemos o Oficial fazendo o gesto do “tiro de pistola”. Kate pega o volante das mãos de Ray, forçando a caminhonete a sair da estrada, capotando. O carro pega fogo e Kate salva Ray, o deixando em segurança. Ela tira o seu braço artificial enquanto o arrasta para fora do carro]

OFICIAL: [apontando a arma para Kate] Hei, Kate.

[A imagem mostra Kate na tenda com o oficial]

OFICIAL: O que foi?

KATE: O quê?

OFICIAL: O favor.

KATE: Não sei do que está falando.

OFICIAL: A última coisa que ouvi antes do acidente... Você queria um favor.

[Flashback para a cena de Kate e o oficial no avião]

KATE: Tenho um favor para pedir.

OFICIAL: Sério? Esse vai ser bom.

[De repente, uma grande turbulência. Uma mala atinge a cabeça do oficial. A cauda do avião se desprende]

OFICIAL: [De volta na tenda] Bem?

KATE: Queria que você se certificasse de que Ray Mullen iria ganhar os 23 mil.

OFICIAL: Quê... o cara que te entregou?

KATE: Ele tinha uma hipoteca infernal

OFICIAL: Você é única. Você teria escapado se não tivesse salvado ele.

KATE: Se você ainda não percebeu. Eu escapei.

OFICIAL: Você não parece livre pra mim. Kate, eu vou morrer, certo?

KATE: É

OFICIAL: Então, você vai cuidar disso ou o quê?

[A imagem mostra Jack olhando para o mar, de noite. Hurley se aproxima]

HURLEY: Ei, então, cadê a fugitiva?

JACK: Está na tenda.

HURLEY: Você deixou ela lá sozinha?

JACK: O quê ela vai fazer? São 55 quilos encharcados de água.

HURLEY: É, mas ela tem aquela arma.

JACK: O quê?

HURLEY: Ela está armada, cara… eu vi.

[Jack corre até a enfermaria, ele vê Kate saindo]

JACK: Kate?!

[Eles escutam um tiro. Kate se retira. Sawyer aparece com a arma]

JACK: O quê você fez?

SAWYER: O que você não conseguiu. Escuta, eu entendo essa de você ser o doutor, mas ele queria isso. Caramba, ele me pediu. Então, eu não gosto disso mais do que você, mas algo precisava ser feito.

[Sons de alguém se sufocando dentro da tenda]

HURLEY: Ah não, sem essa. Pessoal?

[Jack e Sawyer voltam para tenda. O oficial ainda está vivo. Jack tenta parar o sangramento.]

JACK: Você atirou no peito dele?

SAWYER: Estava mirando no coração.

JACK: Você errou.

HURLEY: [na entrada da tenda] Cara, ele ainda tá respirando?

JACK: Você perfurou o pulmão. Vai levar horas até ele acabar de sangrar.

SAWYER: Então foi que... eu só tinha uma bala.

JACK: Sai daqui! Sai daqui!

HURLEY: [saindo] Ah cara.

[Sawyer sai se sentindo mal. Ele tenta ascender um cigarro com o isqueiro, mas não consegue. Ele joga o cigarro fora]

SAWYER: Droga!

[O som de dor do oficial cessa. Jack sai da tenda]

Sexto Ato

[Imagem de Locke sentado na praia assoprando seu apito. Vincent aparece. Em seguida, Locke acorda Michael, mas o silencia para que ele não acorde Walt.]

LOCKE: Eu achei o cachorro de seu filho.

MICHAEL: O quê?

LOCKE: Vincent. Eu o amarrei a uma árvore por ali. Eu sei que Walt perdeu a mãe. Eu pensei que você deveria trazer o cachorro de volta para ele.

MICHAEL: OK, obrigado.

LOCKE: De nada.

[Imagem de Jack olhando para o mar. Kate se junta a ele.]

KATE: Eu quero lhe dizer o que eu fiz.... o porquê dele estar me procurando.

JACK: Eu não quero saber. Não é importante, Kate, quem nós éramos - o que fizemos antes disso, antes do acidente. Realmente não importa. Três dias atrás nós todos morremos. Nós todos deveríamos ser capazes de começar de novo.

KATE: Ok.

JACK: Ok.

[MONTAGEM: Hurley com seus fones de ouvido. Jin olhando Sun dormir, tocando seu cabelo. Boone dá à Shannon um par de óculos escuros. Sayid passa com uma maçã e a joga para Sawyer. Charlie escrevendo "late" nos seus dedos. Claire sentada na praia. Michael trazendo Vincent de volta para Walt]

[A imagem destaca Locke. A música agradável ganha um tom estranho...]


LOST

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória