FANDOM


Concurso Episódios Quinta Temporada
Concurso 6ª Temporada


Concurso Episódios 5ª Temporada

LOSTpédia & Revista Season
C5x08 - Algumas Coisas que Estão Escondidas

Escrito por: Diego Souza Lezonier
Não-disponível em PDF

Introdução

[Fim do anteriormente em Lost]

[Tomada aérea da ilha. É noite. Um close em um olho que se abre. Vê-se que é Locke. Ele está no meio da floresta, sozinho. Ele olha para os lados, como que procurando entender como foi parar ali. De repente, ele começa a ouvir sussurros. Locke olha para o céu, tentando se concentrar. O céu é escuro, sem nenhuma estrela. Um grande barulho é ouvido às costas de John (como o do monstro). Árvores começam a ser arrancadas. E os sussurros se tornam mais fortes. Entretanto, Locke permanece imóvel, enquanto obarulho do monstro parece cada vez mais perto. Locke vê um vulto ao seu lado.]

HOMEM – O que que há John?

[Locke olha para o lado e sua feição muda de uma aparente calma para surpresa]

LOCKE - Boone?

[o homem se revela sendo Boone]

BOONE – Por que está parado aqui?

LOCKE – N-Não sei...

BOONE - Este é o problema, John. Você não sabe.

LOCKE – O que você está falando? Onde é que eu estou?

BOONE – Acho que já está na hora de você saber o que fazer.

LOCKE – O quê?

BOONE – Já está na hora, John.

LOCKE - Na hora do quê?

[Boone abre um meio sorriso]

BOONE – Do seu sacrifício.

[Locke olha para trás, e o barulho se torna ensurdecedor. A árvore à sua frente é arrancada, e um close é dado no seu olho apavorado. John se vira e começa a correr o máximo que pode pelo meio das árvores. O barulho o persegue, e ele tropeça em um galho. Quando vai se levantar, percebe que não consegue. Sua paralisia voltara. Desesperado, ele pede ajuda. Ele fecha os olhos, e quando abre, está à beira de um penhasco (o mesmo do qual Beatriz se jogou). John está em uma cadeira de rodas. O céu é estrelado, e uma lua cheia pode ser vista. Atrás dele, ouve-se uma voz.]

HOMEM – Olhe para esse penhasco, John.

[Locke se vira com certa dificuldade para trás]

LOCKE – Quem é você?

[A cena mostra um homem vestido de padre. É Yemi]

YEMI – Você não me reconhece, John?

LOCKE – Quem é você? [irritado]

YEMI – Você pediu ajuda, não foi John? Mas a ajuda que você precisava já lhe foi concedida.

LOCKE – Como? Me deixando em uma cadeira de rodas?

YEMI – Sua visão está pequena, John. Está na hora de você retribuir tudo o que lhe foi dado.

LOCKE – Do que você está falando?

YEMI – Que o seu caminho se desvirtuou. Você foi feito para caminhar com essas

pernas,[aponta para as pernas de Locke], e não com outras.

LOCKE – E o que que eu tenho que fazer?

YEMI - Você não entendeu mesmo, não é? É hora de você parar de perguntar isso para os outros.

[Locke baixa os olhos e olha para suas pernas, como que esperando alguma coisa acontecer]

YEMI – Vê esse penhasco?

[Locke olha para o penhasco]

YEMI – Ás vezes, são necessários sacrifícios. E ás vezes, é necessário se jogar de um penhasco para salvar a vida.

LOCKE – Quem se joga de um penhasco não se salva, mas perde sua vida.

YEMI – Você e eu sabemos que isso nem sempre é verdade.

LOCKE – Eu não entendo. Você fala comigo como se me conhecesse.

YEMI – É claro que você entende. Você só não sabe disso.

[Locke ouve um barulho no penhasco, como pedras rolando. Em um impulso, Yemi segura a cadeira com Locke e o deixa à beira do precipício]

LOCKE – Hei, o que...

YEMI [falando alto] – É preciso que você acorde agora, John.

LOCKE – Não, o que está...

YEMI [falando baixo agora]– Levante seus olhos, e olhe para o norte!

[Há um momento aqui. Locke olha para Yemi como se o reconhecesse]

YEMI [gritando] – Acorde, John!

[Yemi então joga Locke do penhasco].

[close em outro olho que se abre. Locke está na floresta, como Ben o deixou da última vez. Ao seu lado, Richard está ainda adormecido. Locke está ofegante, mas totalmente concentrado. Ele procura se localizar. Nesse momento, ele olha para o céu, aparentemente ao norte, e paralisa. A câmera gira em seu entorno até mostrar o que Locke está vendo. Uma mancha negra no céu, como que um redemoinho, que diminui aos poucos de tamanho, e some.]

LOST

Tempo Real

[Locke aparece pensativo. Ele olha para os lados, e começa a andar na direção do sinal que aparecera no céu. Quando está se afastando, Richard o chama]

ALPERT[ainda deitado] – Onde está indo?

LOCKE – Atrás de uma coisa que eu perdi.

ALPERT – Ben?

[Locke volta e para junto a Richard].

LOCKE – Você viu o que eu vi?

ALPERT – O quê?

LOCKE – Aquele redemoinho no céu?

[Alpert parece ficar assustado com o que Locke falara.]

ALPERT – Você não pode ter visto isso.

LOCKE – Isso o quê? O quê era aquilo?

ALPERT [baixinho] – Apenas Jacob poderia...

LOCKE – Me diga. Por que você traiu o Ben?

ALPERT – Há muitas coisas que desconhece, John.

LOCKE – Então, acho que chegou a hora de eu conhecer.

[Locke se vira e segue o caminho que ia tomando antes]

ALPERT – Você não deveria ter escolhido a faca, John.

[Locke olha apara trás]

[A cena mostra Alpert com uma arma mirando Locke, e termina no momento do tiro.]


Flashback

[Começa com a cena mostrando os passos de uma mulher. A câmera mostra então seu rosto. É Kate. Ela está falando no celular. Ela ouve alguma coisa, e responde:

KATE[sorridente] – Tá bom. Eu passo aí depois.

[Ela chega em casa. Mas nota que a porta está entreaberta. Sua expressão muda radicalmente. Ela entra. Ao fundo pode-se ouvir o som de uma conversa. Aaron conversa com alguém. Ela vai se aproximando devagar do quarto de onde se ouve a conversa.]

HOMEM - Só preciso que me diga qual desses objetos é seu!

AARON – Nenhum desses é meu.

HOMEM – Não. Eu quero saber qual desses objetos já é seu.

[A conversa cessa por um instante. Kate então resolve entrar no quarto, empunhada de uma arma que pegara em um armário. A cena mostra que o homem é Locke, e está sentado em uma mesa de frente para Aaron. Sobre a mesa estão os objetos: uma luva de baseball, uma bússola, uma bíblia, uma faca, um livro com o título “contos de mistério”, uma pena(usada para escrever) e uma figura de uma pomba voando. 4 deles estão mais próximos de Aaron, que são aqueles que ele escolheu (a bússola, a bíblia, a pena e a figura da pomba) . Locke está com um sorriso incontido no rosto.]

KATE – Não se aproxime dele. [Kate então reconhece Locke]. John?

LOCKE[para Kate] – Ele é o escolhido, Kate.

[close no rosto de Aaron, e depois no de Kate.]

LOCKE – Aaron é o escolhido.

[Kate e John se observam.]

AARON [para Kate] – Mamãe, você já conhece o tio Bentham?

KATE[para Locke] – O que que você está fazendo aqui?

LOCKE – É uma longa história.

[Kate faz um sinal para John sair dali com ela.]

KATE[para Aaron] [tentando mostrar naturalidade] – A mamãe já volta. E arruma essa bagunça, esse quarto tá horrível.

[John recolhe os objetos dentro de uma pasta que carregava].

[em outra peça]

KATE – Não me importa o que você está fazendo aqui. Eu quero que me diga: por que o Aaron?

LOCKE – Porque ele é especial, Kate.

KATE – Como você saiu da ilha?

LOCKE – É um pouco complicado de explicar.

KATE – Por que não tenta?

LOCKE – Você, em algum momento, viu alguma coisa de extraordinário naquela ilha, Kate?

KATE – Eu acho que foi o que eu mais vi.

LOCKE – Não, mas eu quero dizer, alguma coisa que não podia estar lá, que de alguma forma fez parte da sua vida no passado, que foi importante pra você, e que de repente, como que por mágica, estava lá?

[Kate fica pensativa]

LOCKE – Você deve entender Kate, que da mesma forma como aquelas coisas apareceram na ilha, também eu vim até você.

KATE – Eu não quero mais saber, John. Tudo que eu quero agora pra mim e para o meu filho é distância daquela ilha.

LOCKE – Mas você sabe que ele não é seu filho.

KATE[Alto] – Sai daqui.

[Locke olha com naturalidade para Kate, que aparenta nervosismo]

KATE – Sai daqui, John.

LOCKE – Espera, Kate. Eu preciso da sua ajuda e da ajuda do Aaron.

KATE – Como o Aaron tem a ver com essa história?

LOCKE – Desde que vocês saíram da ilha, muitas coisas tem acontecido. A ilha está agora em estado...

KATE – Eu não quero saber, sai logo.

[já na porta]

LOCKE – A ilha precisa que todos vocês voltem, Kate. Todos vocês.

KATE – Nos deixe em paz. [Aaron aparece atrás de Kate, que se vira]

AARON – Por que você está gritando, mamãe?

[quando se vira de volta, Locke sumira. Ela sai para fora de casa, e a cena se afasta, mostrando que não havia rastro de Locke em lugar nenhum].


Tempo Real

[Na estátua de 4 dedos]

[Todos estão perplexos com o que ocorrera. Jacob parece indiferente, enquanto Charlotte está ajoelhada, com seus cabelos encobrindo seu rosto. Daniel, mais afastado, observa tudo com ares de preocupação. Sawyer parece nervoso]

[Sawyer então se aproxima de Jacob]

SAWYER – O que que aconteceu aqui? Por que você fez isso?

[Jacob parece não notar Sawyer]

SAWYER – Hei, tô falando contigo careca!

JACOB – Quem é você para me perguntar isso?

[Sawyer então é arremessado por uma força (tal qual a que arremessou Locke na cabana de Jacob) e jogado no chão]

JACOB[para todos] – O que tinha que acontecer não aconteceu. Pela segunda vez, deixaram de cumprir o que eu havia pedido. Agora chega. Não há mais tempo.

SAWYER – Acho que não mesmo!

[A cena mostra Sawyer empunhando uma arma na direção de Jacob.]

SAWYER – Deixa eu te mostrar o que uma boa e velha arma de fogo faz.

[Quando Sawyer prepara o gatilho, ouve-se um grito.]

CHARLOTTE – Não!

[Todos olham para Charlotte, que agora está de pé, olhando fixamente para Jacob]

CHARLOTTE – Não é assim que tudo vai acabar!

JACOB – E não é mesmo.

[Jacob ergue os braços pela terceira vez. Sawyer se prepara para atirar, mas Charlotte o interpela novamente. Mesmo assim, Sawyer atira em Jacob, mas a cena apenas mostra a bala voltando e atingindo o braço de Sawyer. O barulho do monstro é ouvido novamente. Todos os que assistiam até aquele momento ameaçam fugir, mas Jacob intervém na fuga]

JACOB – Não fujam. Este não será o destino de vocês. Mas vocês precisam aprender o que acontece quando ordens não são cumpridas.

[Todos ficam apreensivos. A névoa de fumaça aparece novamente, em direção de Charlotte, que permanece imóvel. Daniel se levanta, e corre em direção da ruiva, mas antes que pudesse fazer qualquer coisa, a fumaça a encontra.]

[A cena mostra um rosto de Daniel surpreso, como que admirado. A fumaça envolve Charlotte, mas pode-se ver, através desta, Charlotte de pé, intacta. Jacob parece não entender o que acontece. A fumaça começa então a se dissipar, até que some por completo. O silêncio é total.]

JACOB – É... Parece que o destino nos prega peças afinal de contas. [Ele olha para Daniel, com ares de irritação]

JACOB - Vou deixá-los por agora. Há um alguém mais importante nesse momento me esperando. Mas voltaremos a nos ver, Doran.

[Jacob recua, e vai em direção à floresta. Sawyer está escorado em uma árvore, segurando o braço baleado, mas mesmo assim, pega a arma de novo e a aponta para Jacob.]

CHARLOTTE – Já falei que não!

[Jacob para. Ele olha para Sawyer com um sorriso no rosto]

JACOB – É melhor ouvir sua amiguinha. [Ele fecha a expressão]. Porque da próxima vez, a bala não vai voltar no seu braço.

[Jacob entra pela floresta e desaparece].

Flashback

[A cena mostra um ambiente de um hotel muito chique. Ao fundo pode-se ver uma TV, mostrando um jogo de futebol americano. Vemos então Sayid (bem vestido) entrando no hotel. Ele cumprimenta um funcionário, e vai se dirigindo ao saguão, quando um outro funcionário o chama:

Funcionário: Sr. Jarrah! Estão esperando pelo senhor no seu quarto.

SAYID - Como assim, me esperando no meu quarto? Quem é?

Funcionário – Um homem chamado Jeremy Bentham.

[Sayid aparenta preocupação. Ele sobe as escadas, e quando chega em seu andar, ele começa a se aproximar com cautela. Ele saca uma arma, e se encosta do lado da porta, que está entreaberta. Ele então entra repentinamente, e mira para a pessoa que está de costas. O homem, que observava uma foto, se vira, causando surpresa em Sayid]

SAYID – J...

LOCKE – Jeremy Bentham! Quanto tempo, Sayid?

SAYID – Como que...? O que está fazendo aqui?

LOCKE[Locke aponta para a foto de Sayid com Nadia] - Soube do que aconteceu. Eu sinto muito. [Sayid vai até Locke, tira-lhe a foto das mãos, e responde]

SAYID – Com certeza você não veio até aqui por causa disso. O que você quer?

LOCKE – Quero te perguntar o que você tem feito da vida, Sayid Jarrah? Aqui fora está sendo como você imaginava?

[Sayid se irrita, e avança em Locke, segurando-lhe pela camisa]

SAYID – Por que está me perguntando isso? Minha vida aqui fora? Eu não tenho vida aqui fora. Minha vida acabou quando Nadia...

[Sayid se emociona e larga John. John olha para Sayid com compaixão]

LOCKE – Eu entendo. Mas sua vida ainda pode ser reconstruída.

SAYID – O que você quer dizer?

LOCKE – Que nós precisamos que volte Sayid!

SAYID – Volte? Do que você está falando? Voltar pra ilha?

LOCKE – Isso. Eu tenho certeza que não sou a primeira pessoa a te dizer isso.

[Sayid para um pouco]

LOCKE – Aquele é um lugar especial. Só que os últimos acontecimentos, desde que vocês saíram da ilha, não tem sido nada bons. Por isso, precisamos de vocês.

SAYID – E como é que eu faço pra voltar?

LOCKE – Essa resposta não vai ser dada por mim. Mas você sabe por quem.

[Sayid faz um sinal de que sabe.]

LOCKE – Só mais uma coisa. Me diga, Sayid: você acredita em milagres?

[a cena fecha em um rosto confiante de John Locke]


Tempo Real

[Tomada aérea da ilha. É noite. Um close em um olho que se abre. Vê-se que é Locke. Ele está no meio da floresta, sozinho. Ele se senta, e procura pelo ferimento, mas apenas uma mancha de sangue pode ser vista em sua camisa. Ele se levanta, e quando começa a dar os primeiros passos, ele observa o seu entorno. Está em uma jaula. Ele chega até as grades, e procura ver através da escuridão. É então que aparece Richard Alpert.]

ALPERT – Finalmente acordou!

LOCKE – O que eu estou fazendo aqui?

ALPERT – Essa é a pergunta de todos nessa ilha!

LOCKE – Como é que você errou o tiro, e mesmo assim eu desmaiei?

ALPERT – Você está enganado. Eu acertei o tiro. Olhe a sua camisa. [Locke então olha para sua camisa manchada de sangue].

LOCKE – Então...

ALPERT – Você não entende não...

LOCKE – O que você quis dizer com “você não devia ter escolhido a faca”?

ALPERT – Meu caro John. Essa história poderia ser bem diferente. Sabe, eu estava lá quando você nasceu. Você era especial. Jacob pediu que eu o acompanhasse, para ver o seu desenvolvimento. Todos achavam que você era o escolhido.

LOCKE – O escolhido?

ALPERT – É. Mas isso não agradava nem um pouco a ele.

LOCKE – Eu não entendo.

ALPERT – Jacob precisava ter certeza se você era mesmo o escolhido.

LOCKE – E então ele mandou você para fazer aquele teste comigo?

ALPERT – Mas você acabou escolhendo a faca, não é John?

LOCKE – Mas o que isto significa?

ALPERT – Isto significa que você não é a pessoa que achávamos que era.

LOCKE – Então eu não sou o escolhido?

ALPERT – Eu não diria exatamente isso.

LOCKE – Então quem sou eu?

[pausa]

ALPERT – Isso já não importa mais. Essa guerra já não é mais sua, John. A sua história nessa ilha acabou. Você já não pode fazer mais nada.

[Richard se vira e some pela floresta. Locke então se encosta nas grades de costas para onde estava Richard, olha para cima, e diz, em voz alta:

LOCKE – Não me diga o que eu não posso fazer.

LOCKE[gritando] – Não me diga o que eu não posso fazer.

[Locke permanece escorado nas grades, olhando para o céu. Ao que é ouvido as suas costas um barulho de arbustos se mexendo. Locke se vira e ao mesmo tempo diz:

LOCKE[Achando que era Alpert] – Você precisa me dizer quem sou eu. [ele observa então uma pessoa diferente á sua frente. É Charlotte! Ela olha para Locke e responde com confiança].

CHARLOTTE – Você é quem vai salvar essa ilha, John!


Flashback

[A cena mostra uma porta vista de dentro. Chove muito, e já é noite. A campainha então é tocada. Pode-se ver então que a casa é a de Walt, e ele fala para a avó]

WALT – Pode deixar, vó. Eu abro.

[Walt então se dirige para a porta, e quando abre, a cena foca apenas o rosto de Walt, muito surpreso. A cena mostra então Locke, muito bem vestido (e seco), e que pergunta]

LOCKE – Quanto tempo, Walt!

[Walt fica sem reação. Locke trazia nas mãos um jogo de gamão. Os dois se observam por um tempo, até que a vó de Walt o chama]

Vó de Walt – Querido, quem é?

[Walt parece confuso, sem saber o que responder. Locke então entra na sala e responde]

LOCKE – Olá. Meu nome é Jeremy Bentham. Sou professor do Walt. A senhora deve ser a avó dele?

Vó de Walt – Oh sim. Prazer, meu nome é Luzia. Luzia Dawson.

[Os dois se cumprimentam. Ela faz um gesto para Locke se sentar. Walt observa tudo, sem entender o que se passa.]

LUZIA – Mas escute... O senhor está totalmente seco.

LOCKE – É verdade. Parece que eu tive muita sorte, não é Walt?

[Ele olha para Walt esperando uma aprovação]

LUZIA – Então sr. Bentham. O que o trouxe até aqui?

LOCKE – Nada de especial, sra. Dawson. Nada de especial. Apenas tinha combinado de trazer esse jogo para o Walt. Nas aulas fiquei sabendo que ele gostava. Então esses dias estava passando aqui perto, comprei esse aqui, e resolvi trazer hoje.

LUZIA – Que bom. Meu neto é muito especial, sabe sr. Bentham?

LOCKE – Concordo.

LUZIA – O sr. me desculpe. Mas eu tenho que acabar meus afazeres lá dentro. O senhor bebe alguma coisa?

LOCKE – Não. Obrigado.

LUZIA – O sr. então me dá licença. Pode ficar à vontade.

[Walt olha fixamente para John. Ele então fala]

WALT – Professor?

LOCKE [dá um sorriso] – Bom... Eu lhe ensinei a jogar, não foi? [Ele então lhe mostra a caixa que trazia com o jogo de gamão. Ao que Walt responde]

WALT – É... John, por que você veio até aqui?

LOCKE – Porque eu tinha uma coisa importante a te perguntar, Walt. Quantas vezes você já sentiu que era diferente?

WALT – Do que você está falando?

LOCKE [Locke baixa os olhos em direção a caixa. Ele pega então os dados, joga, e responde] – Nós precisamos de você, Walt. Você sabe mais do que ninguém do que eu estou falando.

WALT – E você sabe melhor do que ninguém agora o motivo porque eu queimei a jangada.

[Locke apenas olha para Walt]

LOCKE – Você apenas precisa fazer isso.

WALT – É, mas você abriu aquela coisa, mesmo quando eu tinha dito não, John.

LOCKE – Você sabe o que tem que fazer, não é, Walt?

[Walt reflete, e acena com a cabeça]

WALT – Eu sei. Só mais uma coisa, John. Você sabe o que vai acontecer com você daqui a uma semana, não sabe?

[A cena mostra Locke feliz com a pergunta do garoto]


Tempo Real

[A cena mostra Charlotte, que está de pé. Muda para os grupo dos outros, onde também se encontra Juliet, todos com uma cara de assustados. Sawyer permanece encostado na árvore. Daniel então se levanta e corre na direção de Charlotte. Ele chega perto da ruiva e fala:]

DAN – Charlotte, Charlotte, como você está? Hein, como está?

CHARLOTTE – Eu estou bem.

DAN – Tem certeza?

CHARLOTTE – Eu estou bem, não se preocupe.

[Dan então muda de uma cara de preocupado para uma de incrédulo]

DAN[baixinho] – O que você fez? O que aconteceu aqui?

CHARLOTTE – Eu não sei, Dan.

DAN – O que você sentiu quando a fumaça te envolveu?

CHARLOTTE – Eu não... parecia que aquela fumaça tinha me dado força, Dan. E quer saber, eu não tive medo.

[Dan olha para Charlotte com carinho. Eles trocam olhares. Daniel então fica meio embaraçado, olha para baixo, e diz:]

DAN – Que bom que está bem, eu não sei o que eu faria se alguma coisa tivesse te acontecido.

[Charlotte sorri, e olha nesse momento para Sawyer, que parece estar passando mal. Ela olha para os outros, que olham para ela com apreensão. De repente, Charlotte parece ficar meio confusa, meio tonta, ao que Daniel percebe, perguntando?].

DAN – Ei, você parece pálida? O que houve?

CHARLOTTE – Dan, é aquela voz de novo Dan. É aquela voz de novo.

DAN – Que voz?

CHARLOTTE – A voz que falou comigo quando Jacob estava aqui. É uma voz...

[Nesse instante, Charlotte fica em transe, como se estivesse escutando algo. Daniel a observa angustiado. A ruiva então se vira rapidamente, e sai correndo para o interior da floresta. Daniel, assustado, sai atrás dela. A cena mostra apenas os pés dos dois correndo. Daniel chama por Charlotte, mas ela não parece ouví-lo, e apenas segue o caminho. A cena mostra o ângulo de Dan, e vemos que ele já não consegue mais enxergar Charlotte. Ele continua correndo, e, depois de um tempo, a encontra parada, em uma área aberta. Ela está a observar Vincent, que está a sua frente. Daniel parece confuso.]

DAN – Charl....

[Ela apenas faz um sinal de silêncio para ele com o dedo na boca, e segue pelo meio da floresta, guiada pelo cachorro. Daniel decide a acompanhar. Eles caminham em silêncio. Após um tempo, o cachorro começa a latir, e eles avistam uma cabana mais a frente. Charlotte vai em direção a esta, enquanto Daniel não parece entender nada. Os dois entram na cabana, e avistam um homem ao fundo, encoberto pela sombra, já que se aproximava da noite. Ele se aproxima, e fala:]

CHRISTIAN – Finalmente, Doran.

CHARLOTTE – Quem é você?

[Christian Shephard olha para Daniel, e comenta:]

CHRISTIAN – Vejo que trouxe seu amigo junto. Não era pra ser assim, mas, parece que ele acabou se envolvendo nessa história também. De qualquer forma, eu não te trouxe aqui Doran. Você é que tinha que vir até aqui.

CHARLOTTE – Por que?

CHRISTIAN – Porque você tem perguntas a fazer, não? Mas devido às atuais circunstâncias, nesse momento é melhor você fazer a pergunta certa.

[Charlotte olha fixamente para Christian.]

CHARLOTTE – Como eu derroto Jacob?

[Christian olha para ela com ares de satisfação.]

[A cena muda para Charlotte andando de noite na floresta. Após um pequeno espaço de tempo, pode-se ouvir uma conversa afastada. Agora mais perto, se ouve alguém gritando:]

HOMEM - Não me diga o que eu não posso fazer. Não me diga o que eu não posso fazer.

[Charlotte dá um meio sorriso. Ela então se aproxima, e a cena mostrada é a mesma que encerra a CENA 05.]

LOCKE – Você precisa me dizer quem sou eu.

CHARLOTTE – Você é quem vai salvar essa ilha, John!


Flashback

[Vemos um homem dirigindo um carro. Ele estaciona, desce e se dirige para o hospital. Vemos que é Jack. Ele entra, e é cumprimentado por uma enfermeira na chegada. Ele não está com barba, mas aparenta um rosto cansado. No corredor, um funcionário do hospital lhe chama:

Funcionário: Dr. Shepard, há um homem aqui que quer falar com o senhor. Eu o pedi para esperar lá na sua sala.

JACK: Você sabe quem é?

Funcionário: Ele se apresentou como sendo Jeremy Bentham.

JACK: E ele adiantou o assunto?

Funcionário: Não. Só quando respondi que o senhor estava ocupado e que ia demorar um pouco, ele disse: É sim, porque ou se vive junto, ou se morre sozinho.

[Jack parece se preocupar com o que o funcionário disse. Ele se apressa em entrar na sala. Ao entrar, ele vê o homem sentado de em uma cadeira, de costas para Jack. O homem fala:]

BENTHAM: Parece que você não consegue mais parar, não é Jack?

[O homem se vira e Jack reconhece John Locke.]

JACK – John, como você....?

[Locke se levanta da cadeira e encara Jack]

LOCKE – Jack, a pergunta é: como tem sido sua vida desde que saiu daquela ilha?

[Jack fica pensativo. Quando ameaça responder, John o corta]

LOCKE – Pois eu vou lhe dizer. Tem sido vazia. Porque você sabe que tomou a escolha errada, e ainda carrega o peso de ter trazido junto seus amigos.

JACK – É claro que não. Minha vida está ótima desde que saí daquela ilha.

LOCKE – E por que então não conseguia dormir ontem a noite? E na outra noite? E na outra noite?

[Jack parece surpreso com o que acaba de ouvir]

LOCKE – Jack, preste bastante atenção agora: eu preciso muito de sua ajuda. Todos precisamos. Desde que vocês saíram, coisas terríveis tem acontecido à ilha. E a culpa é sua.

JACK – Do que você está falando?

LOCKE – Que enquanto cada um de vocês não cumprir sua missão, vocês continuarão naquela ilha. E a ilha continuará em cada um de vocês.

JACK – Então você veio até aqui para nos convencer a voltar pra ilha?

LOCKE – Não. Eu vim aqui pedir a você que conserte o erro que cometeu e que assuma as responsabilidades que você tem nessa história, e que parece que esqueceu. Jack, você é o líder, e líderes precisam pensar mais nos outros do que em si mesmo. Voltar é a única chance nesse momento de salvar Kate e Aaron. E eu sei que, lá no fundo, você já dizia isso pra si mesmo.

[Jack pensa um pouco]

JACK – E como é que eu faço pra voltar?

LOCKE – Você vai ter ajuda Jack. Mas lembre-se, seu destino é voltar e levar os outros com você.

[Uma enfermeira bate na porta que se encontrava entreaberta.]

Enfermeira – Sr. Shephard, telefone para o senhor na sala 5.

[Jack olha para Locke]

JACK – Espera um minuto só, J...

LOCKE – Jeremy. Eu espero, sr. Shephard.

[Jack dirige um olhar confuso para Locke, mas resolve ir atender o telefone. Ele caminha por um corredor, entra em uma sala, e quando atende o telefone, a linha do outro lado cai. Ele pensa por um instante, e volta rápido para a sala anterior, mas Locke já não está mais lá, deixando um Jack sem reação em sua sala.]


Tempo Real

[A tomada mostra todos na sala, como o fim do episódio “A Caixa”. Desmond olha assutado para todos. Ele olha para Penny, e pergunta:]

DES – Amor, o que todos eles estão fazendo aqui?

PENNY – Des, eles falaram que era muito importante. Que precisavam reunir todos, e que tinham que falar com você urgentemente.

[Desmond olha para Ben com desconforto. Ele então se dirige a Penny novamente.].

DES[para Penny, apontando para Ben] – Eu não gosto da presença dele aqui.

[Jack então fala]

JACK – Espera, sem briga. Ei Desmond, nós não viemos aqui pra isso. A gente só quer conversar. Você só precisa nos escutar, certo.

[Desmond então se senta em um sofá, mas visivelmente nervoso.]

JACK – Você sabe que ele morreu, não é Desmond?

DES – Sim, eu soube, Brotha.

JACK – E você sabe em que condições, não é?

[Desmond olha para Jack de forma que deixa a entender que sabe]

JACK – Por isso, não podemos mais perder tempo. Nós todos viemos aqui para que se junte a nós.

DES - Me desculpa, Brotha. Mas se é por isso, vocês tão perdendo tempo. Eu nunca vou voltar pra lá.

BEN – Pense bem, Desmond. Você já ganhou muitos presentes ultimamente. Mas mesmo assim, você sabe, lá no fundo, que tem que voltar. Você sente, não sente?

[Desmond olha para Ben]

DES – Você fica quieto! Quem é você pra me perguntar de sentimento?

SAYID – Escute Desmond. Você sabe que isso não é fácil pra nenhum de nós. Mas todos nós sabemos o que temos que fazer.

[Desmond baixa a cabeça, como se aquilo fosse verdade, mas ele não pudesse suportar a ideia.]

DES – E todos tem que voltar?

BEN -Todos, sem exceção. Inclusive ele.

DES – E a Sun?

[Todos se olham. Bem abre um pequeno sorriso]

BEN – Tivemos um pequeno contratempo. Mas nada que não se resolva.

[Um silêncio toma conta do local. Hurley olha para todos, e se dirige a Desmond]

HURLEY – E então, Desmond. O que você decidiu?

[Desmond, olhando para baixo, faz um sinal positivo com a cabeça. Jack então se levanta, estende a mão para Desmond, que também se levanta e o cumprimenta. Jack então fala:]

JACK – Bem-vindo à outra vida, Brotha.


Flashback

[Uma sala. A cena mostra uma enfermeira levando uma bandeja com remédios. A cena mostra apensa as mãos dela. Ela se aproxima, e fala:

Enfermeira – Sr. Reyes, tá na hora de seus remédios.

[Vemos então Hurley. Ele está sentado com outro paciente jogando damas. Ele então pega o remédio e o segura na mão, dizendo]

HURLEY – Eu já tomo. Obrigado.

[A enfermeira faz uma cara de que espera que sim, e sai. Hurley então fica a observar seu adversário. Este observa o tabuleiro, mas não parece ter nenhuma reação. Hurley então se indigna e fala]

HURLEY – Hei Ralf, vai jogar ou não?

[Ralf continua na mesma posição. Hurley então se inclina sobre a mesa e encara-o]

HURLEY – Hei, estou falando com você!

RALF – É que eu não sei jogar muito bem xadrez.

HURLEY – Mas isso é damas. O que é isso? Só joga, qualquer peça.

[Ralf então mexe uma peça, tirando duas peças de Hurley. Hugo então observa a jogada sem acreditar]

HURLEY – O que, tá brincando comigo!

[Então a mesma enfermeira entra e fala]

Enfermeira – Hugo, visita pra você.

HURLEY – Quem é?

Enfermeira – Ele disse que é Jeremy Bentham.

[Hurley não se lembra de quem é, e então segue a enfermeira até uma sala. Ela diz]

Enfermeira – Ele está aí dentro. Qualquer coisa chame.

[Ele faz que sim com a cabeça e entra. Ao entrar, Locke está sentado de frente para ele. Hurley fica estático, parado. Locke então fala]

LOCKE – Quanto tempo, Hugo?

HURLEY – Espera aí, não acredito que é você cara. Cara, quanto tempo?

[Os dois então se abraçam e se sentam. Hurley fala]

HURLEY – John, você tá bem! [mostrando a roupa que Locke usava]

LOCKE – E você, Hugo. Não me parece estar muito bem.

HURLEY – Do que está falando?

[Locke faz um sinal se referindo à clínica. Hurley se recosta na cadeira. Hurley então pergunta]

HURLEY – Você está vivo, John?

LOCKE – Hugo, você sabe que sim...

HURLEY – Uh, ainda bem [com uma expressão de alívio]. E você então moveu mesmo a ilha, não é, John?

LOCKE – Mas as coisas agora mudaram, Hurley. Todos nós estamos sendo vigiados, inclusive você.

HURLEY – Do que está falando, eu não tenho ninguém me vigiando, não.

LOCKE – Se não, o que você viu naquela loja?

[Hurley faz uma expressão de preocupação]

LOCKE – Nós precisamos voltar, Hugo.

HURLEY – Você não está falando sério, não é?

LOCKE – É o único jeito de salvar a todos. Kate, Aaron, Jack, Sun. Você precisa salvar a todos, Hugo.

HURLEY – Eu não vou voltar pra lá, John, [assustado] eu não vou voltar para lá.

[A enfermeira então chega na porta pra ver o que estava acontecendo. Locke então fala]

LOCKE [para a enfermeira] – Eu já estou saindo. [Ele se vira para Hurley, se inclina um pouco na mesa, e fala baixinho]

LOCKE – Você não viveu tudo que viveu lá para acabar em uma clínica como essa, Hugo. Você não tem medo. Não haja como se tivesse.

[ A cena fecha num Hurley com uma expressão aparentemente confusa]


Tempo Real

[Tomada da ilha de noite. A cena mostra agora Locke, que encara Charlotte. Os dois se olham por um tempo, até que Locke quebra o silêncio]

LOCKE – Quem é você?

CHARLOTTE – Como assim, quem sou eu? Você não se lembra de mim?

LOCKE – Eu sei quem é você. Eu perguntei quem é você pra me dizer que é eu que vou salvar essa ilha? Eu não estou em condições nem de salvar a mim mesmo nesse momento!]

CHARLOTTE – John, sua fé te trouxe até aqui. É hora de acreditar mais nisso.

LOCKE – Mas eu estou preso aqui. Eu não estou em condições de fazer muita coisa no momento.

CHARLOTTE – Estar preso às vezes é só uma questão de ponto de vista. Às vezes, é questão de fé.

[Charlotte então olha para John e dá um pequeno sorriso. A cena se afasta um pouco da moça, e então pode-se começar a ouvir um barulho muito forte vindo da floresta. O monstro então aparece atrás dela, e avança contra as grades, e com o impacto, arremessa John para trás.. O monstro então parece diminuir de tamanho, e aos poucos some pela floresta, deixando a jaula totalmente arrebentada de um lado. Locke fica apavorado.]

CHARLOTTE – Levante daí agora, John. È hora de você conhecer algumas coisas que estão escondidas.

[Locke então se levanta, sai da jaula, e quando vai começar a caminhar com Charlotte, ela o para e fala:]

CHARLOTTE – John, a partir de agora, muitas coisas vão mudar. E mais do que nunca a ilha vai precisar contar com você. Está pronto pra enfrentar a turbulência que está por vir?

LOCKE – Eu estou aqui por causa de uma, e não vai ser outra que irá me derrubar.

[Charlotte sorri. Ela então fala]

CHARLOTTE – Então vem, John. A tua nova jornada começa aqui.

[A cena mostra Charlotte se virando e se afastando pelo meio da floresta, seguida por Locke]


Flashback

[A cena mostra Sun trabalhando em um escritório. Alguém a liga, e ela em coreano fala:]

SUN – Está certo. Diga a eles que eu não vou poder ir amanhã. Eu tenho um compromisso. Não, apenas diga isso. [desliga]

[Em seguida batem na porta do escritório. A secretária entra e fala]

Secretária [coreano] – Sr. Kwon... Há alguém aqui que quer vê-la!

SUN[coreano] – Quem é?

[Locke então aparece atrás da secretária e diz]

LOCKE – Jeremy Bentham.

[Sun levanta rapidamente da cadeira. Ela olha para Locke, que diz]

LOCKE – Precisamos conversar!

[Sun e Locke estão sentados. Sun pergunta]

SUN – O que faz aqui, John?

LOCKE – Estou em uma missão.

SUN – E o que quer comigo?

LOCKE – Você não vai me perguntar sobre o Jin?

SUN – Não.

LOCKE – Sun, você precisa entender tudo o que está acontecendo.

SUN – Eu não quero entender nada. Todos vocês se preocuparam mais consigo mesmos do que com os outros naquela ilha. Jack, Sayid, [irônica]Locke. O tempo todo preocupados com tudo, menos com o que era mais importante. Portanto, não me peça pra entender o que vocês também não entendem.

LOCKE – Sun, eu penso nos outros. E é por isso que eu estou aqui. É também pela Ji Yeon que eu estou aqui.

SUN – Nunca mais fale no nome dela, John. Agora, por favor. [ela aponta a porta]

LOCKE – Você está indo pelo caminho errado, Sun. E isto está te impedindo de encontrar o que mais sonha.

SUN – Por favor, John.

JOHN – Se afaste dele.

[Sun não demonstra reação] [Locke então se levanta, e quando vai sair pela porta, ele se vira, e diz]

LOCKE – Sun, ele precisa de você. Não o decepcione.

[e sai da sala. Sun fica aparentemente estremecida com a frase.]


Tempo Real

[Richard está sentado, perto de uma fogueira, e com uma faca tira pedaços de uma madeira. Alguém se aproxima dele, e podemos ver suas pernas atrás de Alpert. Alpert não o nota. O homem fala:]

HOMEM – Levante daí, Richard. Mudança de planos.

[Richard olha para trás e vê então Jacob. Ele se levanta rapidamente.]

ALPERT – O que houve?

JACOB – Charlotte não atirou em Hamseen como era para ser. Você sabe o que isso significa.

ALPERT – Sim... eu também preciso lhe contar uma coisa... Ben fugiu. Ele nos paralisou e fugiu.

JACOB – Sim, eu já sabia, mas Ben, por hora, não me preocupa. Temos outras coisas no nosso caminho no momento.

[Alpert então, com a expressão, demonstra que não sabe. Jacob então, o leva por um pequeno caminho pelo meio da floresta, e então, chega até a jaula onde Locke estava preso, a qual está totalmente arrasada. Alpert fica extremamente preocupado, e Jacob fala]

JACOB – A guerra começou.

Flashback

[Vemos um jogo de futebol na TV. O narrador fala em inglês que o Celtic está jogando bem, mas que precisa fazer o gol. A cena então mostra um Desmond interessado no jogo. É noite. Desmond então comenta com um homem do lado:]

DES – A gente vai virar esse jogo no finzinho.

[O homem olha para Desmond e dá um pequeno sorriso. Desmond então se levanta e vai até o banheiro. Ele entra. Lava as mãos, se olha no espelho, e quando está se virando para sair, todas as luzes se apagam. Desmond então se dirige à porta, mas ele não consegue a abrir. Ele então ouve uma voz atrás que diz]

HOMEM – Espere um pouco, Desmond.

[Des se vira, e fala]

DES – Quem está aí?

[As luzes voltam e então podemos ver John Locke encarando Desmond. Desmond parece muito assustado.]

DES – John, o que.. como está aq...

LOCKE – Desmond, não temos muito tempo para perguntas agora. Eu preciso que preste muita atenção em mim!

DES – Do que você está falando, John? Não era pra você estar naquela ilha?

LOCKE – Eu saí de lá porque muitas coisas tem acontecido desde que vocês saíram. Eu vim pra falar com cada um de vocês.

[Des faz uma expressão de quem não está entendendo]

LOCKE – Jack, Sun, Kate, Hurley, todos. Vocês todos tem que voltar.

DES – Voltar pra onde, pra lá?

LOCKE – Desmond, a ilha te concedeu um presente. Você voltou a ver a Penny, não foi? Agora que você já recuperou as forças, você tem que acabar sua missão.

DES – Eu nunca vou voltar pra lá. Penny e eu estamos bem e jamais eu iria voltar pra lá.

LOCKE – Você acha que foi mero acaso ter parado naquela ilha, não é? Que foi coincidência você conseguir um barco pra fazer aquela viagem?

DES [confuso] – Como você sabe de tudo...

LOCKE [Se dirigindo para a porta]– Desmond, seu destino está naquela ilha. E a sua vida, também.

[Ele então sai pela porta. Desmond fica um tempo parado, e resolve sair atrás de Locke. Ele sai, procura por John, e não consegue avistar ninguém. Ao fundo, podemos ouvir o narrador da TV dizendo que o Celtic acabava de virar o jogo com um gol no último minuto]


Tempo Real

[Charlotte e Locke caminham pela floresta. Começa a chover. Charlotte decide apressar o passo. Locke então a pergunta]

LOCKE – Por que caminhar tão rápido?

CHARLOTTE – Porque nós temos que chegar logo. Quando ele souber o que ocorreu, nada vai ser igual.

LOCKE – Você está falando de Jacob?

[Charlotte apenas olha para John, esperando uma dedução dele. Ela continua caminhando e de repente pára. John a observa. Ela então aciona um dispositivo, e uma abertura no meio de algumas pedras se revela. Uma porta pode ser vista no espaço em que se abriu. Charlotte se aproxima com John da porta, e pode ser lida nesta “O Trovão”, e um símbolo como um raio entre o símbolo da Dharma. Charlotte pergunta]

CHARLOTTE – E então, quer mesmo entrar, John?

[John faz que sim com a cabeça, e os dois entram. Do lado de dentro, pode ser visto um corredor extenso, pouco iluminado, e que no fundo tem uma luz fraca, tendendo para o azul. Os dois caminham até aquela peça, e quando chegam até lá, podemos observar duas portas trancadas, uma de cada lado do corredor, mas a do final está aberta. Eles então adentram a peça, e pode-se visualizar alguns painéis no alto da sala, como se fossem grandes computadores. Em um deles, uma mensagem some e aparece, mostrando uma fórmula: “ΔxiΔpi > ħ/2”. Um homem então sentado no canto da sala chama por John.]

CHRISTIAN – Parece que não nos demoramos a nos ver novamente, hein John?

[o homem revela ser Christian Shephard. Atrás dele está Daniel Faraday. Christian se levanta, e fala:]

CHRISTIAN – Sente-se. [Locke então se senta em uma cadeira, ficando Charlotte em pé, mais atrás.]

CHRISTIAN – Me diga John: qual o tamanho de sua fé?

[Locke olha para Christian sem entender]

CHRISTIAN [enquanto fala, ele se dirige a uma gaveta em um armário no fundo da sala.] – Certa vez, dois fazendeiros sofriam com secas em suas plantações, e ela estava levando os dois a falência. À noite, os dois oraram pedindo a Deus que os ajudasse. Mas apenas um foi preparar o campo para a chuva. Agora me diga, John, qual dos dois você acha que acreditou mesmo no milagre?

LOCKE – O que preparou o campo?

[Christian então abre a gaveta, e retira de dentro dela um uma fita de vídeo na qual está escrita “Orientation – The Island”.]

CHRISTIAN – Correto. Agora, a pergunta, John: Qual dos dois fazendeiros é você?

[Christian coloca então a fita num aparelho que estava à frente de John, e o liga. A tela de apresentação é mostrada, e a cena mostra o rosto de John, aproximando até fechar no olho deste].

L O S T


Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória